9 de outubro de 2012

Abertura Geral da Época de Caça 2012/2013

No passado dia 07 de Outubro de 2012, os caçadores da Ilha de Santa Maria, a mais oriental das terras Açorianas, celebraram a abertura geral de mais uma época de caça, desta feita a de 2012/2013.
As duras condições climatéricas que se fizeram sentir ao amanhecer, caracterizadas pelo forte vento e por um céu bastante carregado, ameaçando chuva pesada, nem por isso foram suficientes para desmotivar os verdadeiros devotos de Santo Huberto.
Sendo o coelho bravo a espécie cinegética mais desejada, no final da esforçada jornada os caçadores por nós contactados, foram unânimes em afirmar que os números eram bem menores do que os observados em igual período da época transacta, facto que foram justificando com a devastação provocada pela Doença Hemorrágica Viral nas populações de coelho, verificada que foi em finais de Dezembro passado e nos inícios do presente ano; com a passagem do Furacão Gordon pela Ilha, ocorrida no final do mês de Agosto transacto, com os efeitos da Tempestade Tropical Nadine e com a prática constante da caça furtiva.
Apercebemo-nos, por tudo isto, da existência de um profundo receio e de uma enorme ansiedade no seio dos caçadores marienses, quanto à viabilidade e desenvolvimento da actividade cinegética nesta Ilha.

Comparando o Calendário Venatório da época anterior com o actual, constata-se que este último estende a caça a terrenos que antes se encontravam interditos à prática venatória e que reduz de 5 para 4 o número permitido de capturas de coelhos.
Por outro lado, e sempre na caça ao coelho, proíbe agora o uso de quaisquer instrumentos cortantes e afins.
Se o aumento da área de caça e a redução do número de peças nos parece uma medida aparentemente contraditória e que nos levanta algumas dúvidas, a interdição do uso de foices já causa um enorme desagrado, sobretudo nos caçadores de corricão, até porque se trata de um instrumento ancestral e com forte tradição na Ilha de Santa Maria.

No terreno contactamos Victor Carreiro, de 46 anos, titular de carta de caçador deste os 17 anos, que nos disse ter optado pelo Lugar de Abegoaria para fazer a sua abertura.
Ao contrário das épocas anteriores, fê-la sem os seus companheiros habituais, devido a impedimentos de última hora e a desistências da caça no seio do grupo.
Foi então por si e pelos seus cães, tendo começado pelas 08H00 e terminado cerca de duas horas depois, assim que alcançou a conta.
Viu menos caça do que na abertura passada e justificou-o com as intempéries supra-mencionadas e com a necessidade de se olhar a caça não como um dado adquirido,  que se renova automaticamente todos os anos, mas como um bem insubstituível e de inestimável valor que é necessário saber cuidar e gerir com mais atenção.

Para José Cabral, também de 46 anos e caçador com arma de fogo desde os 18, esta foi a pior abertura de sempre.
Tendo começado igualmente às 08H00, escolheu por levar os seus quatro cães pelo Lugar de Cabrestantes.
Terminou pelas 12H00, sem ter alcançado o limite estabelecido de peças.
Observou poucos coelhos e realçou o facto de também se ter deparado com menos caçadores.
Se a doença, o mau tempo e o furtivismo provocaram uma menor densidade de caça, também as actuais condições económicas e financeiras por que passa o País vieram afastar muitos caçadores, concluiu.

Jorge Santos, de 47 anos e caçador encartado desde os 16 anos, é da opinião que a doença, o mau tempo e a caça furtiva são as principais causas da menor densidade de coelhos verificada. Por outro lado, constatou igualmente uma redução significativa do número de caçadores, situação que muito o preocupava, embora adiantasse que, talvez fosse esta uma oportunidade para se apurar uma melhor relação na pressão a que se sujeita a caça.
Disse-nos, em tom de desabafo, que, a manter-se esta realidade, a tendência seria a redução gradual das populações cinegéticas em grave prejuízo dos caçadores.
Que, nesse sentido, a gestão da caça assumia-se como uma necessidade cada vez mais urgente, mesmo de primordial importância, e que devia de ser repensada, pelo que os serviços oficiais da caça e os próprios caçadores deviam assumir as suas responsabilidades quanto antes, sob pena de se agravar uma situação que já muito o preocupava.

Daniel Cabral, de 51 anos de idade e caçador desde sempre, traçou o rumo da Ribeira dos Furados. Para ele também foi uma abertura difícil e esforçada.
Com a conta feita, lamentou-nos, mesmo assim, os dois coelhos que não conseguiu cobrar, porque, sem poder fazer uso da sua foice pelas razões já citadas, foi-lhe impossível penetrar no silvado onde tombaram.
Disse-nos que era muito triste constatar uma tão fraca densidade de coelhos e que as sucessivas exigências  para se continuar a caçar têm sido desgastantes e muito frustrantes, situação que tem vindo a afastar da caça um número considerável de praticantes, mas garante que não desistirá e que tudo fará para continuar a exercer uma  actividade que pratica e desenvolve desde os seus tempos de criança.

Acompanhamos também uma equipa da Polícia Florestal de Santa Maria que, para além das funções de fiscalização habituais e da demonstração de uma enorme competência e profissionalismo, procediam igualmente à recolha de um conjunto de informações, tais como: se, em relação à época passada, o número da espécie abatida tinha aumentado, reduzido ou mantido; se o período de caça devia ser aumentado, reduzido ou mantido; se o número de peças estabelecido para cada dia devia ser aumentado, reduzido ou mantido. Na mesma altura quantificavam o número de animais cobrados e os qualificavam de acordo com o sexo e a maturidade de cada um (ver: Estudos ajudam a regular a população do coelho-bravo nos Açores) - sem dúvida um trabalho de recolha muito importante e que tem merecido de todos os caçadores a mais elevada contribuição.

A abertura da presente época de caça na Ilha de Santa Maria foi, assim, marcada pela Doença Hemorrágica Viral, pelas diversas intempéries e pelos nefastos efeitos da caça furtiva, na realidade a maior das preocupações que nos foi transmitida. Por outro lado, e embora seja reconhecido o meritório esforço que tem vindo a ser realizado pelos serviços oficiais da caça, a verdade é que pouco do que tem sido feito e apresentado se tem traduzido numa evolução positiva no terreno, pelo que persiste um elevado sentimento de insatisfação e de ansiedade, que a actual situação por que passa o País só vem agravar ainda mais.
De muito positivo é que agora nos apercebemos, sem dúvidas, da extensão e da vontade dos devotos de Santo Huberto na alteração deste estado de coisas e que, quando assim é, a esperança de novos e melhores tempos subsistirá, pelo que, no final, prevaleceremos!

Sobre o blogue

Contacto: ribeira-seca@sapo.pt
número de visitas

1 - Este blogue pertence-me;

1.1 - Escrevo com grafia anterior ao acordo ortográfico.

1.2 - Assino os textos fazendo uso do meu nome e sobrenome.

1.3 - Não possui fins comerciais.

2 - Transmite a minha opinião;

3 - Os trabalhos publicados são da minha autoria;

4 - Poderei publicar textos de outros autores e se o fizer é com autorização;

5 - Desde que se enquadrem também reproduzirei artigos;

6 - Trata-se de uma cruzada em defesa da Caça e dos Verdadeiros Caçadores;

6.1 - Daqueles que têm em si o "Fogo Sagrado"!

7 - Em caso de dúvidas ou questões, poderão contactar-me através do e-mail acima;

8 - Detectada alguma imprecisão da minha parte, agradeço que ma assinalem;

9 - Não permito o uso do conteúdo deste espaço sem a devida autorização;

9.1 - Os prevaricadores serão caçados!

10 - Este blogue existe desde o dia 21 de Outubro de 2006.

© Pedro Miguel Silveira

Arquivo